• Facebook Trote&Galope
  • Instagram Trote&Galope
  • Youtube Trote&Galope

© 2014 por TROTE & GALOPE e HELENO CLEMENTE PHOTOEQUESTRE

Todos os direitos reservados. Proibido reproduzir textos ou fotos sem autorização do autor. All rights reserved.

Buscar

Visando ao desenvolvimento da Atrelagem Esportiva no Brasil, CBH realiza Clínica de Maratona para co


Com o objetivo de desenvolver a Atrelagem Esportiva no Brasil, a Confederação Brasileira de Hipismo - CBH - realiza na próxima semana (10 a 13/08) a 1ª Clínica de Atrelagem voltada à Maratona. Especialmente preparada para capacitar condutores (de todos os níveis) e juízes, a Clínica abordará tanto a parte de organização de provas e montagem de obstáculos, quanto as formalidades de julgamento dos competidores. À frente dos trabalhos estarão dois nomes internacionais do mundo da Atrelagem: de Portugal, Jorge Baixo, atleta equestre e instrutor de Atrelagem; do Chile, Grete Ruber, juíza FEI e course designer.

Especificamente para os condutores, serão abordados temas relacionados à participação em provas de Maratona, desde a preparação dos cavalos e respectivo material, até a técnica para fazer os obstáculos de Maratona e a prova.

Clínica de Atrelagem - Maratona 10 a 13 de Agosto / 2017

Fazenda Alegre - SP São João da Boa Vista - SP Supervisão CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE HIPISMO www.cbh.org.br Comissão Organizadora Ana Carolina G. Borja (Diretora de Atrelagem - CBH) Elisabeth Schelchl

Informações: Carol Borja (19) 99956 3636

Na pista com um colecionador de títulos

Jorge Miguel Caixeiro Baixo - mora em Santarém, Portugal, onde é monitor de atrelagem desde o início de 1989, na Sociedade Agrícola Foz de Alviela. Ao longo do tempo, desde que o nome Jorge Baixo apareceu nas primeiras competições da Companhia da Lezírias, em 1994, o atleta tornou-se um colecionador de títulos em provas de Atrelagem. Ano passado, conquistou por duas vezes o 1º lugar no Campeonato Nacional e Concurso Golegã; em 2015, 1º lugar no Campeonato Nacional; em 2013, também conquistou o 1º no Campeonato Nacional, entre outros, na maioria das vezes com o seu querido cavalo Apache.

É este o background de Jorge, que lhe dá autoridade técnica para estar à frente desta Clínica de Maratona, orientando condutores brasileiros para um segmento desta modalidade equestre tão "nova" no Brasil.

Jorge Baixo falou a este Trote&Galope que pretende - durante a Clínica - trabalhar o equilíbrio do cavalo, buscando aperfeiçoar a sua condução dentro do obstáculo. Isso será de primordial importância, sobretudo para conjuntos (cavalo e condutor) que até então só participam de provas de adestramento e maneabilidade.

O atleta / instrutor explica que a maratona é dividida em três seções: A, D e E (apenas para nos dar uma base da parte técnica que será abordada na Clínica).

"A", vai de 4 a 7 km, com tempo máximo de 4 minutos por km.

"D" passar 933 metros em 10 minutos sem penalizações.

"E" obstáculos que serão cronometrados, em concursos nacionais, iniciantes podem fazer só quatro obstáculos, enquanto os profissionais fazem 7 ou 8, consoante aos que houver no concurso.

Em cada seção, exceto "D", há um tempo máximo e mínimo (exemplo: em 4 km a percorrer, dará 16 minutos como máximo e 14 como mínimo); o concorrente tem que chegar ao final da seção entre os 14 e 16 minutos. "No início, pode parecer complicado. Mas, com a prática e os estudos, tudo vira automático. E é importante que seja assim, pois em uma prova de Maratona qualquer erro significa perda de tempo valioso ou, pior, penalização", resume Jorge Baixo, que a nosso pedido forneceu as informações que seguem.

Breve história da Atrelagem

De todas as invenções e descobertas do Homo Sapiens - da roda dentada à energia elétrica, os diversos usos do cavalo foram os que mais impulsionaram o progresso econômico da humanidade. Nada trouxe tantos benefícios, mudou tantos hábitos e empregou tanta gente quanto a equitação e a atrelagem. As atrelagens foram até o princípio do século passado como o meio de transporte por excelência, e que se mantêm até aos nossos dias - cada vez mais -como modalidade esportiva.

Faz parte da natureza humana a vontade de exibir habilidade e proeza no trabalho. As lidas equestres do passado deram origem a um grande número de esportes, identificados como uma espécie de reencenação da utilização do cavalo no trabalho civil e militar, e alguns existentes desde a domesticação do cavalo. Por isso, não é exagero afirmar que nenhuma outra atividade inventada pelo homem gerou tantos esportes diferentes quanto os trabalhos equestres.

Mas, o que é Atrelagem?

A competição de atrelagem é um triatlon visando demonstrar a versatilidade do condutor e cavalo atrelado. Iniciado em 1968, quando o Príncipe Philip - The Duke of Edinburgh - redigiu as regras que foram aprovadas pela FEI - Federação Equestre Internacional - para competições de pessoas sem limitações motoras.

A competição consiste em três fases executadas em três ou quatro dias (padrão internacional). Separadas consoante o número de cavalos atrelados (um, dois ou quatro), disputa-se sempre com base nas provas de apresentação, maneabilidade (trata-se de vencer obstáculos estreitos e sinuosos) e maratona.

No caso da Maratona, ela é uma espécie de corrida cronometrada, que exige veículos (chamados "carros", "carruagens", "coches") adaptados / equipadas com freio a disco, e é vista como o centro de interesse do espetáculo: a passagem em velocidade sobre cursos de água é sempre um momento de intensa emoção.

As provas de apresentação acontecem no primeiro dia; maratona com obstáculos no segundo e, no terceiro dia, competição de maneabilidade ao tempo (corresponde à prova de salto clássico).

Para finalizar, Jorge Baixo afirma: "Atrelagem Esportiva é um esporte de adrenalina. Cada fase testa a obediência e submissão do cavalo, apuramento de condução e controle mental do condutor. E, sobretudo, a integração e confiança entre ambos". Veja o vídeo do "Royal Windsor Horse Show - Carriage Marathon" e tire suas próprias conclusões.

#Atrelagem #Maratona #ClínicadeAtrelagem #ClínicadeMaratona #JorgeBaixo

0 visualização