Buscar

João Victor Oliva e Escorial garantem qualificação técnica para os Jogos Olímpicos no Adestramento

Com dois índices técnicos (Minimum Eligibility Requirements - MER), o cavaleiro olímpico João Victor, 25 - com sua nova montaria Escorial Horsecampline - deu um importante passo em busca da vaga do Brasil em Tóquio. Pedro Almeida, com Xaparro do Vouga, também está tecnicamente qualificado.


Joao Victor e Escorial Horsecampline em clique de sua 1ª qualificativa em 17/11 (foto Rui Godinho))
Joao Victor e Escorial Horsecampline em clique de sua 1ª qualificativa em 17/11 (foto Rui Godinho))

Nesse sábado (24/4), João Victor Oliva - cavaleiro olímpico e medalhista pan-americano, em sua segunda competição com a nova montaria Escorial Horsecampline - garantiu o segundo e definitivo índice olímpico no Internacional de Adestramento CDI3* de Abrantes, em Portugal.


João e Escorial Horsecampline (um lusitano de 12 anos) fecharam com a média de 69,130% e registraram índice olímpico (mínimo de 66% de aproveitamento) junto aos três juízes 5*: a britânica Isobel Wessels, o holandês Francis Verbeek van Rooy e a russa Irina Maknami. João e Escorial Horsecampline finalizaram na 5ª colocação. A vitória foi do espanhol Jose Antonio Garcia Mena, com Divina Royal, 72,783%.


"Essa foi só a segunda prova internacional com meu novo cavalo. Acho que a gente tem muito a melhorar. O índice de progressão ainda é grande, nosso conjunto vem melhorando e eu acabo conhecendo ele melhor a cada. Isso que é importante. Agora, o mais difícil - que eram os índices - a gente já conseguiu e agora é torcer para que o cavalo se mantenha bem e sigamos melhorando", destacou João, que teve sua participação olímpica na Rio 2016 e atualmente treina em Portugal. João começou a montar Escorial em setembro de 2020 e fez primeiro índice olímpico no GP de Alter do Chão em 17/11.


Agora, além de João montando Escorial Horsecampline, Pedro Almeida com Xaparro do Vouga estão tecnicamente qualificados para os Jogos Olímpicos no Adestramento, onde o Brasil será representado por um conjunto. Ambos cavaleiros podem garantir novos índices até 21/6, prazo limite estabelecido pela Federação Equestre Internacional. As provas de adestramento em Tóquio acontecem entre 24 e 28 de julho, no Equestrian Park de Tóquio.


Trajetória

Desde sua estreia em pista, em 2008, o jovem talento que se tornou atleta militar (Sgtº Oliva) em 2015, soma importantes conquistas: melhor atleta do time Brasil de Adestramento nas Olimpíadas do Rio 2016 e o melhor brasileiro em uma Final da Taça do Mundo de Dressage, em 2017, em Omaha, Estados Unidos; medalha de bronze por equipe em duas edições dos Jogos Panamericanos, Lima 2019 e Toronto 2015; campeão Sul-Americano individual e por equipe (Odersul/Chile 2014); melhor atleta da equipe brasileira nos Jogos Equestres Mundiais da Normandia, na França, em 2014, e de Tryon, em 2018, nos Estados Unidos.


Resultado completo (clique)




fonte: Informações à Imprensa (Carola May / Isabella Campedelli)

5 visualizações0 comentário