Buscar
  • Carola May

Mais um galope rumo ao Mundial de Adestramento para João Victor Oliva e Escorial Horsecampline

Em franca ascensão, cavaleiro olímpico João Victor e Escorial Horescampline emplacaram em 7º lugar no CDIO5* de Compiegne, competição categoria 5 estrelas, a de mais alto nível da modalidade, entre 32 conjuntos top mundiais. Domingo (22/5), João e Escorial largam no GP Freesytle.

João Victor Macari Oliva e Escorial Horsecampline na Olimpíada de Toquio (Luis Ruas / CBH)
João Victor Macari Oliva e Escorial Horsecampline na Olimpíada de Toquio (Luis Ruas / CBH)

Nesse sábado (21/5), na mais importante competição de Adestramento da França, o CDIO5* de Compiègne, João Victor Marcari Oliva montando Escorial Horsecampline registrou seu 10º índice rumo ao Campeonato Mundial que acontece em agosto, em Herning, na Dinamarca.


Em uma disputa que reuniu 32 conjuntos, entre tops mundiais de 14 países, João Victor Oliva / Escorial Horsecampline foi o único representante do Brasil no Concurso de Dressage/Adestramento Internacional, competição categoria 5 estrelas, a de mais alto nível da modalidade. Até 2021, o cavaleiro já havia participado da competição, mas na categoria 3 estrelas. No Grand Prix, a dupla registrou 71,978% de nota média final, se posicionando em 7º lugar na classificação final. Todos os cinco juízes 5* da Federação Equestre Internacional (FEI) também atribuíram ao conjunto notas acima de 71%: Mariette Sanders-van Gansewinkel, da Holanda (74,348%), o britânico Peter Storr (71,522%), Elke Ebert, da Alemanha, e Raphael Saleh, da França atribuíram a mesma nota, 71,739%, e a dinamarquesa Susanne Baarup, 70,543%.


Venceu o Grand Prix a jovem medalhista olímpica britânica Charlotte Fry, montando Glamourdale (79,435%); em segundo lugar ficou a mais premiada amazona olímpica, a alemã Isabell Weth com DSP Quantz (76,870%).

Os 14 melhores conjuntos do Grand Prix retornam à pista neste domingo (22/5), a partir das 13h25 (9h15 no Brasil) para o Grand Prix Freestyle, prova com coreografia livre e música. João Victor Oliva e Escorial são os penúltimos a largar e entram em pista às 15h25 (11h25 no Brasil).


Sobre João Victor Oliva e Escorial Horsecampline

Cavaleiro paulista de 26 anos, radicado em Portugal, João Victor Oliva monta o Puro Sangue Lusitano Escorial Horsecampline desde setembro de 2020, com o objetivo de representar o Brasil nos Jogos de Tóquio. O objetivo foi atingido e a dupla registrou o melhor resultado do Brasil em Olimpíadas.


O próximo objetivo a ser atingido é integrar o Time Brasil no Campeonato Mundial de Dressage, que acontece entre 6 e 10 de agosto em Herning, Dinamarca. O processo seletivo estabelecido pela FEI começou em 1º de janeiro de 2021 e vai até o proximo dia 4 de julho. Para se candidatar à vaga na equipe brasileira, o candidato precisa atingir o mínimo de dois índices (MER - Minimum Eligibility Requirement), isto é, 66% de nota média final e com um juiz FEI5* em um Grand Prix em dois Concursos de Dressage Internacional acima de 3 estrelas (CDI3*/CDI4*/CDI5*/CDI-W/CDIO), desde que o conjunto participe de todas as provas daquele CDI.


João Victor Oliva / Escorial Horsecampline já atingiram dez índices. Na fase pré-Olimpíadas, no CDI3* de Abrantes, em Portugal (69,130%, com três juízes FEI5*), no CDI3*de Compiegne, França (70,130%, com três juízes FEI5*), e nos Jogos de Tóquio (70,419%, com os sete juízes FEI5*). Pós Olimpíadas, a dupla voltou a registrar índices no CDI3* de Hagen, Alemanha (70,043%, com dois juízes FEI5*), no CDI4* de Aachen, Alemanha (71,696%, com quatro juízes FEI5*), no CDI5* de Doha, Qatar (70,065%, quatro juízes FEI5*), e no CDI3* de Jerez de La Frontera, na Espanha, onde venceu três das quatro provas que participou, registrando 72,696% e 74%, recorde brasileiro, em dois Grand Prix, com todos os cinco juízes que atuaram no evento.


Time Brasil em formação

Além de João Victor Oliva com Escorial Horsecampline, outros dois conjuntos já estão habilitados a integrar o Time Brasil de Dressage para o Campeonato Mundial em Herning, na Dinamarca: Pedro Tavares de Almeida com Famous do Vouga, que soma seis índices, e Nuno Chaves de Almeida com Feel Good V.O, dois índices.

Como o objetivo é selecionar os conjuntos com os maiores percentuais (resultados isolados por prova), excetuando reprises Freestyle do Grand Prix e do Grand Prix Special, e levando em consideração as condições do animal o mais próximo do Mundial, a Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) definiu como prazo para selecionar os conjuntos que vão integrar a equipe o período que começou em 27 de abril e vai até 3 de julho.


Sobre o Mundial de Dressage

O Campeonato Mundial de Dressage (Adestramento) substitui o World Equestrian Games que entre 1990 e 2018 reunia a cada quatro anos os tops das oito modalidades regidas pela FEI e que, agora, passam a ter campeonatos separados. As disputas do Adestramento serão realizadas entre 6 e 10/08 no Stutteri Ask Stadium, em Herning, na Dinamarca.


fonte: Rute Araujo / Imprensa CBH (Carola May)


0 visualização0 comentário