Buscar

Time Brasil de Salto estreia no Mundial 2022 na Dinamarca

Atualizado: 10 de ago.

Com olímpicos e medalhistas panamericanos, equipe brasileira entra em pista nesta quarta-feira (10/8), em Herning, Dinamarca, em busca de pódio e vaga nos Jogos de Paris 2024. Confira o perfil dos atletas.


Bernardo, Felipe, Marlon, Pedro, Yuri e o chefe de equipe Pedro Paulo (Luis Ruas)
Bernardo, Felipe, Marlon, Pedro, Yuri e o chefe de equipe Pedro Paulo (foto Luis Ruas)

Trazendo na bagagem importantes resultados na temporada 2022, os atletas da equipe brasileira de Salto estreiam na pista do Stutteri Ask Stadium do ECCO FEI World Championships a partir das 11h (6h no Brasil) com expectativa de conquistar a primeira medalha por equipe no Mundial, uma vez que - no individual - o Salto é a única modalidade a ter atingido este feito em 1998, em Roma, com o ouro de Rodrigo Pessoa / Gandini Lianos.


Em Herning, o Time Brasil de Salto é formado por olímpicos e medalhistas pan-americanos como o mineiro Bernardo Alves / Mosito van het Hellehof, o maranhense Marlon Zanotelli /Like a Diamond van het Schaeck, o paulista Pedro Veniss / Nimrod de Muze Z e fechando o time o também paulista Yuri Mansur / QH Alfons Santo Antonio. Na reserva, o fluminense Felipe Amaral / Androide 3K. Competem pela primeira vez, no Mundial, o atual campeão pan-americano Marlon Zanotelli e o reserva Felipe Amaral.

Completam o time, o técnico suíço Philippe Guerdat, o chefe de equipe Pedro Paulo Lacerda e o veterinário Rogério Saito.


São 103 concorrentes em pista, com 22 países competindo por equipes. Nessa quarta-feira (10/8), acontece a 1ª qualificativa individual a partir das 11h, 6h no fuso brasileiro. Bernardo Alves / Mosito van Het Hellehof é 14º, Yuri Mansur / QH Alfons Santo Antonio, 39º, Marlon Zanotellli / Like a Diamond van het Schaek, 69º, Pedro Vemiss / Nimrod de Muze Z, 93º.


No ECCO FEI World Championships - evento que substitui os Jogos Equestres Mundiais (WEG na versão em inglês), realizados entre 1990 e 2018 -, as medalhas do Salto, individual e por equipes, serão decididas entre os dias 10 e 14/8, encerrando o evento máximo do esporte que acontece a cada quatro anos. Os países que se classificarem até o sexto lugar garantem vaga nos Jogos de Paris 2024. Nos dias 11 e 12/8 é definida a final por equipes e no dia 14/8, a final individual.


Conheça nossos atletas em pista

Marlon e Like a Diamond na prova de adaptação (Luis Ruas)
Marlon e Like a Diamond na prova de adaptação (Luis Ruas)

Marlon Modolo Zanotelli: o maranhense de 34 anos, melhor brasileiro da atualidade no ranking mundial, 5º lugar, está estreando no Mundial, assim como participou de sua primeira Olimpíada em Tóquio (6º por equipe). Em Pan-americanos foi ouro individual e por equipe em Lima 2019, e integrou o Time Brasil 4º colocado em Toronto 2015. Nos Jogos Sul-americanos, foi ouro (equipe) no Chile 2014. Das conquistas em 2022, destaque para a vitória no GP5* do Global Champions Tour Paris, Campeão da Youngster Cup e Copa das Nações do CSI5* Saint Gallen/Suiça, Campeão no GP a 1,50m no CSI5* Hubside em St. Tropez/França, campeão de dois GPs do CSI5* de Doha/Qatar, medalha de ouro na Copa das Nações do FEI Longines CSI3* de Drammen/Noruega. Marlon conquistou o Prêmio Brasil Olímpico promovido pelo Comitê Olímpico do Brasil em 2019 e 2021.


Bernardo com Mosito van Het Hellehof na prova de adaptação (Luis Ruas)
Bernardo com Mosito van Het Hellehof na prova de adaptação (Luis Ruas)

Bernardo Alves: o mineiro de Belo Horizonte, de 47 anos, participa pela quarta vez do Mundial. Estreou em Jerez de la Frontera/Espanha 2002 (9º equipe), depois em Aachen/Alemanha 2006 (10º equipe e 13º individual) e em Lexigton, Kentucky/EUA 2010 (4º equipe). Integrou o Time Brasil nas Olimpíadas de Atenas 2004 e Pequim 2008 (10º por equipe em ambas). Em Jogos Pan-americanos, foi ouro por equipe em Winnipeg 1999 e Rio 2007, quando ficou em 5º individual, prata por equipe e bronze individual em Guadalajara 2011, e bronze (equipe) em Santo Domingo 2003. Traz, ainda, vitórias por equipe em Copas das Nações e em GPs do Global Champions Tour de Hamburgo/Alemanha 2009 e Mônaco 2010. Nas temporadas 2021 e 2022 venceu GPs em concursos de 3* e 4* na França, Bélgica, Espanha, Itália, além de vice do tradicional Prêmio VBR do CHIO5* Aachen. Bernardo Alves ganhou duas vezes, em 2001 e 2011, o Prêmio Brasil Olímpico (COB).


Pedro e Nimrod na prova de adaptação (Luis Ruas)
Pedro e Nimrod na prova de adaptação (Luis Ruas)

Pedro Veniss: com 39 anos, o cavaleiro paulista participa de seu quarto Mundial. Integrou a equipe no WEG de Kentucky/EUA 2010 - equipe em 4º), Normandia/França 2014 (equipe em 5º) e Tryon/EUA 2018 (equipe em 14º). Esteve no Time Brasil nas Olimpíadas de Tóquio 2021 (6º por equipe), Rio 2016 (5º por equipe) e Pequim 2008 (10º/equipe). Em Jogos Pan-americanos, foi ouro por equipe em Lima 2019 e Rio 2007, quando ficou em 5º no individual , além de 4º (equipe) em Toronto 2015. Em Copa das Nações, integrou o time na conquista das medalhas de ouro nos FEI Longines no CSIO5* de Geesteren / Holanda 2019, de La Baule / França 2018, no 109º Royal International Horse show em Hickstead / Inglaterra 2017 e em 2015 em Spruce Meadows / Canadá. Entre as conquistas individuais, destaque para a vitória no GP do CSIW German Masters em Stuttgart, Alemanha em 2017 e bronze individual no GP5* no CHIO Aachen, Alemanha em 2018. Em 2022, foi Campeão do GP4* Invitational Medium Tour do Andalucia Sunshine Tour em Vejer de la Frontera/Espanha. Pedro Veniss venceu por 4 anos consecutivos (2015 a 2018) o Prêmio Brasil Olímpico (COB).


Yuri e QH Alfons Santo Antonio na prova de adaptação (Luis Ruas)
Yuri e QH Alfons Santo Antonio na prova de adaptação (Luis Ruas)

Yuri Mansur Guerios: o cavaleiro paulista de 43 anos compete em seu segundo Mundial, depois de integrar o Time Brasil nas Olimpíadas de Tóquio 2020 (6º por equipe). Também fez parte da equipe campeã da Copa Nações La Baule / França 2018, em Hickstead / Inglaterra 2017, Arezzo / Itália 2015 e duas vezes vice-campeão, 2016 e 2017, em Calgary / Canadá. Entre as conquistas individuais e pós Tóquio, foi vice-campeão no GP Handwerk do CHIO5* Aachen, do GP Rolex no CSIO5* de La Baule/França e do GP4* do Andalucia Sunshine Tour em Vejer de la Frontera / Espanha.


Felipe Amaral (foto de Gabriela Lutz, no Facebook)
Felipe Amaral, na reserva (foto de Gabriela Lutz, no Facebook)

Felipe Amaral: reserva em Herning, o cavaleiro fluminense de 31 anos também foi reserva nos Jogos do Rio 2016. Em Pan-americanos, integrou a equipe em Toronto 2015 (4º por equipe e 11º individual). No Sul-americano, foi ouro individual e por equipe no Chile em 2014. Integrou o Time Brasil medalha de ouro nas Copas das Nações em Geesteren / Holanda 2019 e Calgary Spruce Meadowns /Canadá 2015, além de prata em Calgary 2016, no CSIO5* de Barcelona em 2015, e no CSI3* de Vejer de la Frontera 2021, na Espanha. Em 2022, foi vice do GP no CSI3* de Touquet / França e bronze em GPs no CSIO5* Knokke e no CSI4* de Verger de La Frontera / Espanha. Em 2013 foi o campeão brasileiro sênior.


Retrospectiva do Brasil no Mundial

O Salto é a única modalidade que conquistou medalha no evento, quando eram Jogos Equestres Mundiais: o ouro individual de Rodrigo Pessoa montando Gandini Lianos em Roma 1998.

Participando de todas as oito edições, o Time Brasil soma duas vezes o 4º lugar (The Hague, Holanda, em 1994 e Kentucky, Estados Unidos, em 2010); duas vezes o 5º lugar (Roma 1998 e Normandia 2014); 8º em Estocolmo, Suécia, em 1990; 9º em Jerez de La Frontera, Espanha, em 2002, 10º em Aachen, Alemanha em 2006 e 14º em Tryon, Estados Unidos, em 2018.


Acompanhe o placar em Herning 2022


Assista ao vivo no canalolimpicodobrasil.com.br



fonte: Imprensa CBH (Carola May / Rute Araujo / Natasha Simonato)

1 visualização0 comentário